Coluna Top Social!

Coluna Top Social!
Coluna Domingo Top no Jornal Extra!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O Programa Biografia na Deluxe TV.


 Os apresentadores William Santos e Mônica Moreira Lima.


O Programa Biografia estreiou dia, (18), ás 12:00 hs na Deluxe TV, é uma revista eletrônica e de entrevistas exibida de segunda à sexta-feira, através do site: (www.deluxetv.com.br) e nas televisões espalhadas pelo Rio Anil Shopping em São Luís- MA.
A produção e apresentação do programa é de responsabilidade da jornalista, radialista, professora universitária e escritora maranhense, Mônica Moreira Lima e do Profissional do Marketing, ator, promoter, publicitário e colunista social William Santos.
 Bastidores da gravação com Kleber Gomes no Restaurante Feijão de Corda.
O Programa Biografia foi formatado como um programa de entrevistas e variedades o que democratiza suas pautas em diversos assuntos. É o programa que exibe a biografia daquele entrevistado mostrando a sua vida cotidiana.
 Bastidores da gravação com Ivaldo Rodrigues no Hotel Luzeiros
Avalizando o programa como um espaço midiático de credibilidade que divulga diariamente matérias jornalísticas sobre todos os assuntos que estão circulando na mídia maranhense, nacional e internacional. O programa realiza ainda a cobertura de eventos sociais, políticos e empresariais em todo o Estado.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Vereador Ivaldo Rodrigues destaca inauguração da nova Avenida Mário Andreazza


Ivaldo Rodrigues disse que a obra contribui bastante para a melhoria do trânsito daquela região
O vereador Ivaldo Rodrigues (PDT) destacou a inauguração da Avenida Mário Andreazza em pronunciamento feito, nesta segunda-feira (18), na Câmara Municipal de São Luís. O parlamentar disse que “a avenida está entre as obras, construídas pelo prefeito João Castelo, de maior importância pelo que ela representa para o eixo Olho d’Água, Cohama, Turu, Jardim Eldorado e circunvizinhança”.
Ivaldo Rodrigues disse que a obra contribui bastante para a melhoria do trânsito daquela região, pela fluidez que permite ao tráfego de veículos, e para a qualidade de vida da população, que faz uso daquela via e adjacências.
O vereador pedetista destacou a Mário Andreazza como “uma obra extraordinária, iniciada na gestão da prefeita Gardênia Ribeiro Gonçalves, período em que começava a pavimentação e a melhoria entre as avenidas Daniel de La Touche e São Luís Rei de França”.
Ivaldo Rodrigues ressaltou a construção e a reconstrução da obra e destacou a qualidade do material utilizado na pavimentação, além da nova iluminação.
Programa de obras - A reconstrução da Mário Andreazza faz parte do Programa de Obras São Luís 400 anos, que marca uma série de ações que estão sendo implementadas pela administração municipal como forma de presentear a capital maranhense no ano em que se comemora o seu quarto centenário de fundação.
A nova Mário Andreazza tem uma extensão de 1.482 metros, com dez metros de largura, e conta com duas faixas de tráfego e 5.000 m² de passeio em concreto estrutural. Além disso, ganhou 2.000 m² de sinalização horizontal. Na obra, foi realizada também a readequação da rotatória de acesso à Avenida São Luís Rei de França.
A avenida recebeu uma nova iluminação pública com 46 pontos de luz. Foram utilizadas lâmpadas a vapor de sódio de 400 wats, instaladas em postes metálicos tipo cônico reto, suporte com altura de 10,5 metros e luminária APC 101 de alta eficiência iluminotécnica. Esta iluminação tem um alto nível de uniformidade, o que proporciona uma alta qualidade luminosa à avenida e excelente conforto visual aos seus usuários

EXPOSIÇÃO: “ÍNDIA! – a sedução da imagem”



FOTOGRAFIAS de Zé Cavalcanti e Eugênio Araújo
Espaço JUS SARAU ( Rua João Vital, 101. Loja 06, Reviver, próximo ao Museu de Cultura Popular)
Abertura: QUINTA, dia 21/06/2012, 19h30 min

Será aberta nesta quinta, dia 21/06 a exposição “Índia! – a sedução da imagem”, fotografias dos artistas Zé Cavalcanti e Eugênio Araújo, na galeria do Espaço JUS SARAU. A decisão de explorar o universo folclórico, por vezes já tão desgastado partiu do próprio Eugênio, que tem uma visão muito crítica sobre o fenômeno: “ – O Folclore tem sido usado para muitas coisas no Maranhão e no Brasil, às vezes nem sempre benéficas. É preciso encontrar outras formas de lidar com essas manifestações, que ultrapasse o ranço patrimonilista e tradicionalista que domina o discurso sobre o folclore hoje. As manifestações populares também são dinâmicas, tem direito à mudança e à transformação, não podem ficar estáticas no tempo. As índias do nosso bumba boi encarnam bem esse espírito dinâmico: são os personagens que mais mudaram nos últimos anos, sem por isso desfigurar as brincadeira. Elas provam que a mudança pode ser positiva”.
Segunda Eugênio, essa mudança é sobretudo visual. Isso por si só já justifica uma investigação fotográfica sobre o fenômeno. A indumentária das índias mudou muito nos últimos anos. Há quem diga que sofremos influência do boi de Parintis, mas e daí? Que mal há em ser influenciado, sobretudo quando a influência é boa? Só o Maranhão é que não pode sofrer influência de ninguém? Seremos obrigados a professar eternamente uma falsa originalidade?” – indaga Eugênio. Bumba-meu-boi há no Brasil inteiro, só que com características diferentes. Muitos personagens são fixos como na estrutura da Commedia de L’arte italiana, e o índio aparece em todos os relatos, de norte a sul. O papel dele é de suma importância, pois é o pajé quem ressuscita o boi, morto por Pai Francisco na tentativa de apaziguar o desejo da esposa grávida. O boi é levado para floresta, domínio dos indígenas. Assim, sua presença no folguedo é obrigatória. São os índios quem procuram, acham e ressuscitam o boi perdido e morto para que a festa possa continuar.
O que aconteceu nos últimos anos foi a evidencia da feminilização deste personagem indígena. Hoje ele é representado preferencialmente por belas jovens de corpo escultural, que garantem o sucesso dos grupos. Cada boi se esforça por formar batalhões de índias cada vez maiores e a preocupação com a indumentária é primordial. A roupa de índia é uma das mais caras da brincadeira, já que é sempre muito emplumada e bordada. É nítida também a influência da estética carnavalesca sobre o folguedo junino. Segundo Eugênio Araújo, que também trabalha com carnaval, essa é uma tendência compreensível, pois a estética carnavalesca brasileira é muito forte e amplamente veiculada pelos meios de comunicação de massa, o que deve impressionar inclusive aqueles que não fazem parte do carnaval. As festas juninas estão mudando, pegaram algo do carnaval, estão se tornado cada vez mais sofisticadas, os arraiáis são cenográficos, as roupas são mais cheias de brilho e plumagem, tudo isso se insere dentro de uma perspectiva de crescimento e enriquecimento das classes populares brasileiras. Se o povo muda de condição sócio-econômica, é claro que suas brincadeiras também devem mudar. A figura feminina da índia representa bem esse processo de crescimento e mudança pra melhor. Tidas como “trunfos” dos conjuntos de bumba-boi, as índias encarnam o símbolo da mulher enquanto propriedade masculina (já que os donos e amos dos bois são sempre homens que se referem a elas como “nossas índias”), mas propriedade muito bem cuidada, enfeitada, endeusada, transformada em objeto de desejo que causa inveja. Muito da rivalidade entre grupos de boi se dá hoje entre grupos de índias, elas são o conjunto visual e coreográfico de maior impacto do folguedo.
Foram necessárias algumas estratégias para captar as imagens com a nitidez que essa sofisticação crescente requer. Os artistas montaram um mini-studio fotográfico nas proximidades dos arraiais e ali ficavam de tocaia esperando as índias, que eram convidadas a posarem para fotos depois das apresentações. “- Não queríamos fotos das índias em movimento, misturada com outros personagens e nem com o público. Quisemos criar propositalmente uma situação artificial de isolamento que pudesse destacar alguns pontos que consideramos importantes nesse processo de transformação. Por isso precisamos criar uma situação de iluminação eficiente, com fundo homogêneo, onde se pode fazer uma viagem visual bem detalhada pelos atributos das índias: sua juventude e beleza corporal, suas expressões faciais matreiras, suas roupas ricamente bordadas e emplumadas, sua alegria plena em participar da brincadeira. O fato de trabalharmos com fotos posadas não comprometeu em nada a espontaneidade das meninas, que chegavam para fotografar ainda em ritmo de dança. Assim produzimos imagens sutilmente diferentes daquelas que estamos acostumados a ver sobre índias de bumba boi. Nossas índias são atrizes, não apenas bailarinas, elas realmente encarnam e representam um papel, recuperando o sentido dramático da brincadeira, têm uma majestade e dignidade que a foto posada evidencia” - conclui Eugênio Araújo. Outro diferencial é que adicionamos algumas imagens de santos juninos em algumas fotos. Assim temos índias ao lado de Santo Antônio, São Pedro e São João, recuperando também o sentido religioso original do folguedo, ao mesmo tempo em que causamos alto contraste entre a imagem religiosa e a semi-nudez das meninas.
Eugenio e Zé Cavalcanti estão trabalhando juntos há algum tempo e adiantam que têm material para várias outras exposições sobre bumba-meu-boi: foram captadas imagens dos outros personagens (Vaqueiros, Amos, Catirinas, Cazumbás, etc.), além de detalhes dos bordados das roupas e uma série só sobre bordados de couro de boi. É esperar pra ver

Tambor de Crioula retratado em oficina!

O mês de junho chegou e com ele todo o encanto e diversão das festas de São João. O período junino no Maranhão estende as homenagens também a São Pedro, e aqui em São Luís, inventaram até São Marçal para reunir nas ruas do bairro do João Paulo a maior orquestra popular do Nordeste, o bumba-meu-boi com a cadência das matracas e pandeirões.
Além do bumba-meu-boi nos seus variados sotaques, o tambor de crioula também é uma das manifestações mais marcantes dentro da diversidade cultural existente no Estado. Com sua forte herança africana, os homens dão o ritmo primitivo na parelha de três tambores afinados a fogo onde embalam a roda das coreiras, que interagem entre si com a instigante “punga”, marcada no tempo do tambor. Esta riquíssima brincadeira repleta de simbologia antropológica e cultural, pode ser entendida por iniciantes e apreciadores. Para descobrir esse universo, basta apenas interesse mútuo em trocar conhecimentos tal como manda a Tradição.
Nesse intuito, o percussionista Baé Ribeiro e dançarina Carla Belfort estarão ministrando oficina de tambor de crioula neste mês de junho. A iniciativa busca difundir e legitimar a cultura popular de nosso Estado, sobretudo, levar conhecimento sobre diversos aspectos desta manifestação como o ritmo cadenciado, os instrumentos, bem como os fatos históricos que os envolvem.
Baé Ribeiro é filho de brincantes do Bumba-meu-boi (sotaque de zabumba) e Tambor de Crioula da Fé em Deus. Cresceu nesse ambiente tornando-se um Mestre ainda em sua juventude, assim como, acontece com Carla Belfort, filha de Roxa, tocadora de caixa do Divino e brincante do Cacuriá de Dona Teté e do tambor de Mestre Felipe, que são mantidos pelo grupo Laborarte. Carla tem o dom natural para dançar, uma essência que aflora através de sua simpatia, e encanta ao acaso, tal como foi muito bem destacada pelo romancista e poeta Ariano Suassuna, ao conhecê-la durante sua passagem pela Feira do Livro, na capital maranhense em 2007.
A oficina de Tambor de Crioula, ministrada por Baé e Carla, com aulas práticas de toque e dança, acontece de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h, no espaço Matroá (Rua João Gualberto –Praia Grande) durante todo o mês de junho. As inscrições podem ser feitas no local e mais informações podem ser obtidas através dos telefones: 98 8845 0539/3083 5479.

SERVIÇO:
Oficina de Tambor de Crioula
De segunda a sexta-feira, das 15 às 18h
Espaço Matroá (Rua João Gualberto, Praia Grande).
Inscrições no local (R$ 30 por hora, com pacote promocional)
Informações: 98 8845 0539/3083 5479.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Marília Pêra receberá homenagem na Ilha.

Diva do cinema é lembrada por sua carreira extensa e consagrada em festival de cinema; cerimônia será hoje


Anderson Corrêa
Da equipe de O Estado

A atriz Marília Pêra será a ilustre homenageada durante o encerramento da 35ª edição do Festival Guarnicê de Cinema, hoje, no Teatro Arthur Azevedo, em São Luís. Com uma extensa e consagrada trajetória nos palcos, no cinema e na televisão, a artista brincou quando indagada sobre a possibilidade de encerrar a carreira após tantos anos sobre a luz da ribalta. “Pensei em parar em vários momentos da minha vida. Seria bom se eu conseguisse fazer isso e viver só para ser homenageada”, brincou.
Sobre o festival, Pêra acredita que eventos como esse são uma oportunidade para a formação de plateia. “Uma forma de fazer com que os filmes chegam até as pessoas mais humildes. O cinema é importante para mim. Sei que ele pode ensinar as pessoas. E o governo deve ter o compromisso de possibilitar que ele chegue a todas as pessoas. Artistas e jornalistas têm papel fundamental também em divulgar esses festivais”, afirmou.
A atriz acredita que o Brasil é um país de muitos talentos e que o cinema nacional tem obtido exitoso prestígio pelos maiores festivais do mundo. “Para mim, é uma grande surpresa ver nossos cineastas participando desses eventos. Aprendi muito com eles. Quanto aos atores, sei que existem bons artistas, mas não é preciso ter talento para atuar no cinema e na TV. Pode-se gravar fala a fala. No teatro, é diferente. Ali, o artista tem de ser um atleta”, compara.
Contudo, Pêra não considera menor ou maior algum dos gêneros. “Eu quero é ter uma boa história para contar; um personagem que me ensine; um diretor que saiba harmonizar; e colegas que saibam compartilhar”, definiu a atriz que confessou ainda ter inveja de nomes como Meryl Streep. “No Brasil, às vezes atores e atrizes mais velhos fazem papéis pequenos. Tenho uma inveja branca, boa, dela, se é que existe isso. Porque ela envelhece e a indústria do cinema sempre procura novos personagens para ela. Porque o público gosta”, explicou.
Versatilidade - Tida como uma artista completa, Marília Pêra atua, canta, produz e escreve. “Hoje, não produzo mais quanto eu produzia. Estou mais atuando. Mas também estou aprendendo a cantar. Tenho medo disso. É como se eu não merecesse. Como se fosse um privilégio. Mas poder cantar nos palcos me dá uma felicidade imensa”, disse a atriz, que se prepara para fazer os musicais Hello, Dolly, com direção de Miguel Falabella, e Herivelto Como Conheci, no ano em que se comemora o centenário do compositor e músico Herivelto Martins, dirigido por Claudio Botelho.
Marília também tem escrito alguns textos que não foram ainda divulgados e recentemente escreveu o livro Cartas Para Uma Jovem Atriz, que narra momentos de sua vida e as experiências que teve - desde a infância, na qual se destaca a influência de seus pais, atores, em sua formação artística, até a fase adulta, quando o leitor pode tomar contato com um pouco da história da dramaturgia brasileira.
 
Na foto a atriz aparece com William Santos durante a coletiva de imprensa.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Painel com o tema VLT: “Um Novo e Inovador Modelo de Transporte Público para São Luis”.

          O prefeito Municipal de São Luis João Castelo, Secretária Municipal de Transporte – SMTT Clodomir Paz e representante do Ministério das Cidades são algumas das autoridades convidadas a estarem presentes, hoje quinta-feira, dia 14.06 no Plenário da Câmara Municipal, de um Painel com o tema VLT: “Um Novo e Inovador Modelo de Transporte Público para São Luis”. Trata- se de um requerimento de autoria do vereador Ivaldo Rodrigues (PDT).
        Serão palestrantes do Painel: Patrícia Trinta e Cíntia Maria Aguiar Moraes (Instituto da Cidade, Pesquisa e Planejamento Urbano e Rural – INCID), José Arthur Cabral (Secretário Adjunto da SMTT) e Francisco Savio Mauricio Araújo (Diretor da Empresa Bom Sinal, Fabricante do VLT) .
              Ao propor o requerimento de realização do Painel o vereador Ivaldo Rodrigues ressaltou a importância de se discutir a implantação com maior brevidade possível de um novo modelo de transporte que viabilize maior conforto e agilidade de locomoção a população de São Luis.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Dança com criatividade!


Com proposta mais pedagógica, espetáculo”A magia da dança”, que será apresentado pela Escola de Dança Adágio no dia 13 de junho, tem a participação direta dos alunos no processo de produção.
 
 
Como acontece todos os anos, a Escola de Dança Adágio apresentará, neste mês, um espetáculo de dança no palco do Teatro Arthur Azevedo, reunindo todo o seu corpo de baile. Mas, dessa vez, quando estiverem apresentando “A magia da dança”, no próximo dia 13, às 19h30, os bailarinos da Escola irão experimentar uma sensação diferente. Mais do que apenas apresentar o que têm aprendido ao longo do ano, durante as aulas, eles sentirão orgulho por causa de cada movimento e de cada figurino que ajudaram a criar. A proposta do espetáculo é exatamente incluir os alunos em todo o processo criativo de um espetáculo.
Segundo Luzia Inês Aureliano, uma das diretoras da Adágio, dessa vez a concepção do espetáculo está sendo bem diferente do que sempre aconteceu em outras montagens da escola. “Essa apresentação tem uma proposta mais pedagógica. Em nossos espetáculos, eu, a Ana Cristina Dourada (também diretora da escola) e os professores é que criamos tudo: as coreografias, os figurinos. Dessa vez, achamos que seria uma boa ideia incluir os alunos nesse processo”, explica Luzia Inês.
A proposta do espetáculo “A magia da dança”, de acordo com a coreógrafa, é mais pedagógica, pois garante que os alunos possam desenvolver sua criatividade. “Nós demos as orientações, os direcionamentos, mas eles é que decidiram o que será apresentado no palco. Temos tido uma resposta muito positiva dos alunos”, afirma a coreógrafa. Com a aproximação do dia da apresentação, o ritmo dos ensaios está cada vez mais intenso. O espetáculo terá a participação dos alunos de todas as modalidades da escola: balé clássico, jazz, street dance, dança do ventre, de salão e contemporânea.
Atividades – Paralelamente aos ensaios para o espetáculo “A magia da dança”, algumas atividades foram realizadas no mês passado na Escola. No dia 19 de maio, foi realizado o 1º Chá das Meninas da Adágio, com palestra da nutricionista Tereza Medeiros sobre “A importância de uma alimentação balanceada para bailarinos”. Já no período de 21 a 26 do mesmo mês, o bailarino cubano Luiz Rubén Gonzalez esteve em São Luís para ministrar um curso de balé clássico exclusivo para os alunos da Adágio. “Nós sempre realizamos eventos que agreguem conhecimento aos nossos alunos e que contribuam com o desenvolvimento do nosso corpo de bailarinos”, destaca Luzia Inês Aureliano

UemaNet divulga resultado das provas dos cursos técnicos a distância


O Núcleo de Tecnologias para Educação – UEMANET divulgou o resultado do Processo Seletivo Simplificado de Acesso aos Cursos da Educação Profissional Técnica de Nível Médio, forma subsequente, na modalidade a distância, PACEP/2012. A divulgação aconteceu, no dia 30, no prédio do Núcleo e contou com a presença do Secretário Adjunto de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Fernando Lima, do Reitor da UEMA, Prof.José Augusto Silva Oliveira, o Coordenador Geral do UEMANET, Prof.Antônio Roberto Serra, a Presidente da Comissão do PACEP, Profª Fátima Rios, e a Coordenadora adjunta do e-TEC/UEMANET, Profª Eliza Flora Muniz.
Além dos sites www.uema.br/pace2012 e www.uemanet.uema.br a lista também está disponível no mural do prédio.
Para o Reitor da Universidade Estadual do Maranhão, Prof.José Augusto Silva Oliveira, esse foi mais um desafio. “A universidade aceitou um grande desafio de realizar a educação profissional técnica. Essa é uma ação do Governo do Estado, que já lançou o programa Maranhão Profissional, e que a UEMA engaja efetivamente nessa oportunidade oferecendo 13 cursos em 18 municípios. Um novo desafio para a UEMA que até então se dedicava a graduação e pós-graduação. Estamos bastante animados porque compreendemos que esses cursos vêm atender a necessidade do Maranhão no sentido de ter mão de obra qualificada para os projetos que avizinham para o Estado nesse novo cenário de desenvolvimento. Mais uma vez estamos cumprindo com o nosso papel que é também ser um ator nesse processo de desenvolvimento”, disse.
O Vice-reitor, Prof.Gustavo Pereira, falou das expectativas: “Essa é uma ação pioneira da UEMA. Estamos preenchendo um espaço importante que existe na formação profissional. Chamamos essa responsabilidade para a universidade dentro do sistema de ciência e tecnologia do Estado. Compreendemos a importância de oferecer a essas pessoas a oportunidade de qualificação com vistas aos novos espaços de trabalho que estão se abrindo e às novas perspectivas para o Estado nos próximos anos. E é claro que as expectativas que giram em torno dos cursos técnicos são as melhores possíveis, pois foram mais de 33 mil candidatos e 6 mil vagas, é no sentido inclusive de nós sermos capazes cada vez mais de receber um número considerável talvez até dobrarmos no próximo ano esse contingente”.
O Coordenador do UEMANET, Prof. Antônio Roberto Serra enfatizou que “para a implantação dos cursos foram feitos estudos de demandas vocacionais observando características sociais e econômicas das regiões do Estado. E a partir daí esses cursos foram direcionados para as cidades. O curso de Alimentos e Guia de Turismo, por exemplo, estão inseridos nos locais que têm alguma potencialidade turística, por exemplo, Barra do Corda e Grajaú e a região de Arari. Levamos em conta o apelo de cada região”.
A Presidente da Comissão do PACEP, Profª Fátima Rios destaca o fim de um longo trabalho. “É uma grande satisfação divulgar esse resultado. Foi um longo trabalho e um desafio aceito pela UEMA, por meio do UEMANET. Que esses novos alunos sejam bem vindos”,destacou. E completa: “A aceitação dos cursos técnicos pela sociedade maranhense demonstrada no seletivo indica o potencial para a formação profissional no Maranhão. E a UEMA, por meio do Núcleo de Tecnologias para Educação, está atenta a essa demanda, com condições de contribuir para o desenvolvimento do Estado”.
As aulas estão previstas para iniciar no dia 25 de junho.
PACEP/2012 – Com 33.042 candidatos, a prova foi realizada no último dia 20 de maio, em 18 municípios do Maranhão, incluindo a capital, São Luís. São eles: Açailândia, Arari, Bacabal, Barra do Corda, Bequimão, Brejo, Caxias, Codó, Colinas, Coroatá, Grajaú, Pedreiras, Pinheiro, Santa Inês, São Bento, São José de Ribamar e Timon.
O seletivo ofereceu 6 mil vagas distribuídas entre 13 cursos: Alimentos, Contabilidade, Controle Ambiental, Edificações, Guia de Turismo, Informática, Manutenção Automotiva, Meio Ambiente, Meteorologia, Planejamento e Gestão de TI, Tecnologia da Informação, Rede de Computadores, Segurança do Trabalho e Serviços Públicos. Todos gratuitos e com duração média de 20 meses.