Coluna Top Social!

Coluna Top Social!
Coluna Domingo Top no Jornal Extra!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

ARTIGO

Michael Jackson morreu. Morreu e parece que se foi sem nunca ter alcançado o que buscava: Felicidade.
Michael Jackson sonhava com um lugar seu, completamente ausente de sofrimento, onde ele se imaginava Peter Pan, eternamente jovem. Assim, ele construiu para si o parque temático Neverland (Terra do Nunca), que por causa de dívidas em dólares no mundo real, teve que mais tarde ser dividido com outros sócios.A fragilidade existencial da Neverland de Michael Jackson estava estampada na estética face deformada que seu espelho e as câmaras refletiam. O Michael que se via (quando se via) na vida real era bem diferente “daquele” movimentado personagem dos clips. Imagem nunca foi tudo, como alguns insistem. O erro e os desencontros de Michael Jackson com a vida foi imaginar que felicidade só é possível com ausência de sofrimento. Não conseguiu perceber que felicidade e sofrimento não são antagônicos e que não há como controlá-los. Nenhum analgésico é capaz de aplacar o sofrimento da alma. Nenhum ditame subverte a felicidade. Lembrei-me do filme Shadowlands (Terra das Sombras). O filme retrata o período de vida do escritor C.S. Lewis (vivido por Anthony Hopkins) que marcaria para sempre o seu jeito de ver a vida e que foram estampados nos seus escritos. Depois de encontrar o amor da sua vida, Joy Gresham, ele a vê indo dolorosamente embora por causa de uma doença incurável. Neste contexto de extremo sofrimento se ouve de Lewis: “Por que amar, se perder machuca tanto? Eu não tenho mais respostas: só a vida que eu vivi… A dor de então faz parte da felicidade de agora. Esse é o acordo”. Parece que “Terra das Sombras” insiste em apresentar o mundo como ele é. Sem fantasias enganosas ou fugas psicológicas. Um mundo onde sonhos, alegrias, fé e amor caminham ao lado de sofrimento, perdas, dúvidas e descrença. Um mundo em que a vida, apesar dessas experiências tão contraditórias, vale a pena ser vivida. Viver a vida na sua plenitude é entender que felicidade não precisa pedir licença à dor para pulsar dentro da gente. Afinal ela faz parte das dádivas divina: “No mundo vocês vão passar por aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o mundo”. Jesus conquistou a possibilidade de vivenciarmos a verdadeira felicidade, sem subterfúgios ou aparatos estéticos, sendo Ele mesmo o autor da vida. Em Jesus conseguimos compreender a dinâmica de Deus com relação ao sofrimento humano e a maneira como encará-lo na vida. Como diz a personagem de Lewis em Terra das Sombras: O sofrimento faz parte da felicidade. Lamentavelmente ainda somos, como Michael Jackson, atraídos para a Terra do Nunca, pois não suportamos os momentos que se descortinam sombrios. Só que a Terra do Nunca é fuga/bolha para quem não entendeu a vida ou ainda não cresceu, como Peter Pan… até mesmo, alguém como o rei do pop.
Texto Bíblico Utilizado: João 16:33
Fonte: Vida Net

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MUITO OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO.